Gênero

Documentário

Tipo Curta Metragem/ Sonoro
Material original 35mm, cor, 8min, 24q, Eastmancolor
Data e local de produção 1971 - Congonhas do Campo, MG - Brasil
Argumento/roteiro Rachel Sisson
Produtor Rachel Sisson
Produtor Associado Renato Neumann
Diretor Rachel Sisson, Renato Neumann
Diretor de fotografia Renato Neumann
Montagem Renato Neumann
Narração Paulo Cesar Pereio
Laboratório Líder Cinematográfica

Estúdio de som

Helio Barrozo
Certificados Censura Federal: boa qualidade, livre exportação
INC Classificação especial

 

O documentário mostra as esculturas policromas dos Passos da Paixão, parte do conjunto arquitetônico, escultórico e paisagístico de Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas do Campo, Minas Gerais. A importância  do conjunto deriva, principalmente, dos trabalhos aí existentes de Antonio Francisco Lisboa - o Aleijadinho, expoente máximo de nossa arte colonial- , incluindo os Passos da Paixão bem como os famosos profetas em pedra sabão do adro da igreja, executados logo após as esculturas dos Passos. As sessenta e seis  figuras dos Passos foram esculpidas em madeira pelo artista e seu atelier entre 1796 e 1799. Elas se distribuem pelas sete cenas da Paixão representadas nos Passos: a Ceia, a Vigília no Horto, a Prisão, a Flagelação, a Coroação com Espinhos, a Subida ao Calvário e a Colocação na Cruz. A narrativa, obedecendo a essa mesma ordem, aborda os aspectos mais relevantes para a compreensão de cada cena em separado bem como da obra monumental em seu conjunto, mencionando a origem do santuário, o tema de cada cena, o partido plástico adotado - em termos de expressividade, policromia, escala, atitudes e disposição das figuras -, a autoria das mesmas, a importância da obra no contexto tanto da arte brasileira como no da arte religiosa do ocidente cristão e, finalmente, o seu significado face ao Aleijadinho como indivíduo e como intérprete do momento histórico e social das Minas Gerais do final do Setecentos.